[ editar artigo]

Ciência e diplomacia da inovação, inovar sem fronteiras!

Ciência e diplomacia da inovação, inovar sem fronteiras!

Na última sexta-feira 14/04/2020, a 2a edição do InnSciD SP terminou, com chave de ouro, após quase duas semanas de imersão em diplomacia científica e diplomacia da inovação. Mais de 100 cientistas e especialistas em inovação brasileiros e estrangeiros de alto nível frequentaram a escola, vindos de todos os setores da sociedade civil e de instituições governamentais. InnSciD SP 2020 foi organizado pela Universidade de São Paulo, os Institutos de Relações Internacionais e Estudos Avançados (IRI & IEA) e o Itamaraty com apoio da UNESCO.

O que é diplomacia científica e diplomacia da inovação?

A diplomacia tradicional foi definida pela política, comércio e economia, desde os primeiros dias. No século XXI, novos tópicos como arte, ciência, tecnologia e inovação pertencem à caixa de ferramentas diplomáticas. Desde o final dos anos 80, com mudanças geopolíticas, mudanças no poder econômico e uma revolução na comunicação do rádio e telefone para a internet, o mundo é um lugar muito diferente daquele dos primeiros dias da ONU.

Em um mundo cada vez mais orientado para o conhecimento e tecnologia, isso leva a mudanças nos papéis dos diplomatas. Seu foco já mudou de colaborações científicas relativamente neutras para os interesses de tecnologia e inovação de seus países de origem. A inovação pode servir como uma ferramenta eficiente de diálogo em tempos de relativa distância ou desacordo, e pode oferecer plataformas para novas formas de interação e resolução sobre temas que são politicamente delicados para falar ou onde não há espaço para resolução via diálogo econômico e acordos pela via diplomática clássica.

É importante dizer que a Diplomacia da Ciência mudou para a Diplomacia da Inovação para ser mais ampla e mais alinhada com a cultura do século XXI. A diplomacia científica é freqüentemente concebida como o uso dos “softpowers” (poderes suaves) da colaboração científica para suavizar as relações políticas entre duas ou mais nações. Essa mudança se deve ao fato de que o conceito de conhecimento mudou e se ampliou recentemente: do conhecimento científico para o conhecimento tecnológico e para as capacidades de aumentar as oportunidades de inovação (criação de valor social e econômico por meio de novos bens, serviços e sistemas).

Nas últimas quatro décadas, com o crescimento da inovação baseada no conhecimento e tecnologia e o inevitável processo de globalização dos negócios. Como na ciência, a inovação também se tornou global, em um grau muito maior de complexidade e intensidade, por exemplo, uma complexidade e capacidade para plataformas tecnológicas globais e inovação ou uma necessidade de integração dos sistemas globais de comércio e abastecimento. Mas a globalização enfrenta críticas crescentes, o que também muda a maneira como os países lidam com relações internacionais competitivas. E isso muda a missão e os papéis dos diplomatas da inovação e da diplomacia da inovação também.

Inovação cada vez mais tem ampliado sua importância e interesse, expandindo de modelo de negócios e diferencial competitivo para empresas para ser parte da política de Estado e demonstrar poder entre nações. Aos inovadores fica a chamada ao pensamento estratégico de inovar sabendo que sua solução tecnológica e diferencial não tem fronteiras.

Inovadores & Inquietos
Ler conteúdo completo
Indicados para você