[ editar artigo]

O Piloto Automático, os Cisnes e o Jogo Infinito.

O Piloto Automático, os Cisnes e o Jogo Infinito.

Temos que usar a nossa maior habilidade, a adaptabilidade. Atualizado em 9/6/2020 às 15h50

O historiador Eric Hobsbawn (1917-2012) propôs que o longo século XIX teria acabado apenas com advento da Primeira Guerra Mundial pois desmontou o ideal de mundo utópico pelas nações coloniais européias mas também foi precedida de avanços tecnológicos como as ferrovias, os carros e o cinema e que haveria um estado de abundância e burguesia sem fim. Todos temos conhecimento de como foi sangrento o conflito e pouco mais de um século após, muitos historiadores colocam que era previsível o conflito mas com certeza não o era no contexto daquele momento, o que torna o evento um Cisne Negro, da qual falaremos mais adiante. A partir deste pressuposto os séculos não seriam contados de forma cartesiana e pautados no calendário e sim pelos acontecimentos de impacto global que aconteceriam em torno do final do período de 100 anos. Desta maneira a historiadora *Lili Schwarcz propõe que o século XXI comece a partir do fim da pandemia global devido ao seu impacto nas diversas áreas e influenciando profundamente no comportamento humano. Como iremos nos comportar daqui para a frente? Quais serão os impactos na arquitetura, viagens e eventos? Iremos olhar apenas para os malefícios e tentar voltar ao que era antes ou iremos fervorosamente encontrar maneiras de permanecer com os benefícios advindos da baixa movimentação humana - notoriamente a qualidade do ar?

Piloto Automático

O ser humano, assim como diversas outras espécies, é um animal de hábitos, costumes, ciclos e rotinas e concentra as suas energias para manter a homeostase, internamente e o status quo, externamente mas quando um evento com força suficiente acontece nos força a sair do piloto automático os nossos mecanismos de defesa entram em ação e lutam para trazerem ambas as condições (homeostase e status quo) para o padrão que é percebido por cada um antes do evento porém e se não conseguimos voltar ao que era "normal"? Para uma parcela dos seres humanos será uma luta e um dispêndio de energia gigantescos a qual pode ser em vão por conta da mudança do ambiente, contextos e das regras do Jogo Infinito: o piloto automático ficará travado e não conseguirão se adaptar aos elementos podendo ainda assim influenciar outros a manterem os seus ligados e sucumbirem em massa ao novo cenário.

Não podemos nos esquecer que a principal característica que nos trouxe até este momento na história (ou hiper história, assunto para outra oportunidade), é a capacidade adaptativa do homem e por consequência transformar comportamentos, o meio ambiente e resultados mas nunca retornando ao que era antes e sim avançando em uma nova direção.

O que está acontecendo é o desligamento forçado do Piloto Automático em uma escala global de duração ainda não determinada e no contexto de sociedade global e hiperconectada, fazendo com que tenhamos que analisar a situação  com o pouco de informações que temos para tomar decisões imediatas ao mesmo tempo em que entramos em luto pelo nosso modo de vida "normal" ter sido modificado radicalmente. É interessante perceber em qual das fases do luto estamos (negação, raiva, barganha, depressão e aceitação) para que possamos dar a tratativa necessária e nos movermos adiante e assim restaurar o nosso poder de adaptabilidade.

O Cisne Negro

Cisne Negro é um termo utilizado no estudo de Megatendências  para identificar momento históricos que não podem ser previstos mesmo com indicadores apontando para as evidências pois são descartados pela ínfima possibilidade de acontecerem mas que em uma análise retrospectiva parecem ser óbvios. O termo é originário da crença dos europeus (por observações apenas do seu ambiente), antes da descoberta da Austrália, lugar onde foram avistados os primeiros cisnes negros. Para eles era inquestionável a existência apenas de exemplares brancos dadas as evidências. O grande problema apresentado é quão frágil são nossas convicções e conhecimentos quando nos deparamos com uma única observação que invalida todas as nossas crenças. Por que é importante entendermos este conceito? 

Porque vivenciamos os efeitos transformadores de um, como o 11 de setembro ou o Ébola e o que estamos vivenciando no momento pode parecer um mas, de acordo com o criador dos termos - Nassim Taleb - é muito fácil atrelar a pandemia a um evento Cisne Negro, por parecer que atende aos requisitos de um: raridade, impacto extremo e previsibilidade retrospectiva. Vale destacar que os eventos Cisne Negro não são todos e necessariamente negativos como por exemplo a descoberta da Penicilina a qual mudou radicalmente o tratamento de doenças e infecções.

Desde o final do século XIX e mais notadamente após a Segunda Guerra Mundial o desenvolvimento exponencial e os fatores comuns acabam tendo menor relevância mas propensos a serem ingredientes para se tornarem Cisnes Negros: em nossa sociedade complexa, o aparecimento de problemas complexos torna-se cada vez mais comuns e exigirão da criatividade humana, soluções e comportamentos inéditos nunca antes vislumbrados e testados.

O Cisne Branco

O Cisne Branco em contraste possui as características de um Cisne Negro porém com um diferença importante: a previsibilidade é possível porém pode parecer como extrema cautela ou ainda um esforço desnecessário. Nassim Taleb, o criador dos termos, em entrevistas recentes, além de explicar o porquê deste evento não ser considerado um Cisne Negro (e ficar irritado quando fazem essa afirmação) afirma que poderiam ser gastos centavos para a prevenção com uma restrição gradual e/ou exames das pessoas oriundas da China, por exemplo quando publicou o primeiro aviso em 2016 do que arcar com trilhões de dólares no gerenciamento da pandemia e ter salvo milhares de vidas; ou seja, é com ter um sistema de aviso de furacão alertando a formação de um mas como estamos apenas sentindo brisas resolvemos ignorar. Seria o caso de um Cisne Negro comportamental (estou criando essa variação por minha conta e risco) porque ESCOLHEMOS ignorar para manter o status quo o máximo possível?

O Jogo Infinito

O Jogo Infinito é um conceito criado pelo professor James P. Carse, em 1986 e abordado por Simon Sinek em seu livro de mesmo nome o qual resumidamente se desdobra da seguinte maneira: se existem dois jogadores, existe um jogo e há dois tipos de jogo, os finitos e os infinitos. Os jogos finitos como características possuem jogadores conhecidos, regras fixas e um objetivo comum de acordo com regras fixas e conhecidas que quando alcançado, termina o jogo. Praticamente todos os jogos esportivos enquadram-se nesta categoria e por isso são populares e acessíveis. Sempre há começo, meio e fim.

Nos Jogos Infinitos, existem jogadores conhecidos e desconhecidos, não existem regras precisas ou acordadas e nem um objetivo final ou linha de chegada e desse modo um "final vencedor" ou a definição de vencer: o objetivo primordial é se manter no jogo e perpetuá-lo o máximo possível, inclusive auxiliando outros jogadores a permanecerem no jogo para enriquecê-lo e fortalecê-lo em uma relação ganha ganha.

E qual é ou o quais são os jogos infinitos? Pelas definições pode-se exemplificar casamentos, amizades, a vida, o mundo dos negócios: ninguém quer que termine e quer que todos os participantes permaneçam no jogo. Dito isto, empresas com mentalidades de jogos finitos, podem se dar bem no jogo infinito dos negócios no curto prazo mas podem perecer se não mudar a estratégia em conformidade com o pensamento do jogo infinito. Aqui eu faço uma ressalva: ao escrever este artigo eu demorei exatamente neste trecho por entender que seria muito fácil trazer os exemplos do livro (Apple e Microsoft) e não achar exemplos do ecossistema empresarial brasileiro e ainda no cenário da pandemia mas um estudo* da ESPM Rio revela que até o momento, na pandemia, a Magazine Luíza é a empresa com a melhor imagem entre os consumidores e em contraponto o Madero, a empresa mais criticada.

Observando ambas as empresas através das lentes dos Jogos Finitos e Infinitos do Piloto Automático e do Cisne Negro, podemos tirar alguma conclusões:

 

  1. O Magazine Luiza com o advento do Cisne Negro (COVID 19), municiado de todas as informações provenientes de fontes confiáveis, desligou o seu Piloto Automático e tomou medidas de adaptabilidade e principalmente para manter todos que estão sob sua guarda no Jogo Infinito com ações concretas, incluindo o bem estar de seus funcionários, pedindo para os empresários não demitirem e lançando uma plataforma para as pequenas empresas e autônomos venderem online; o foco está no longo prazo e na mentalidade de manter todos no jogo!

  2. No mesmo período o Madero com o advento do Cisne Negro, permaneceu com o Piloto Automático e ainda reforçou os Anticorpos Empresariais (tema para um outro artigo) minimizando a gravidade da pandemia e valendo-se que a economia (invenção humana e que necessita de pessoas para existir) não poderia parar mesmo que mortes ocorressem, em um claro pensamento de Jogo Finito, onde o importante é o lucro do mês a qualquer custo mesmo às custas de morte e/ou demissões.

  3. Duas empresas distintas com o mesmo CEO podem ter comportamentos diferentes: A Space X de Elon Musk, se comporta como um jogador infinito - após 18 sua cápsula tripulada finalmente sai do papel e leva astronautas à EEI, em contrapartida;

  4. A TESLA a cada ano se comporta como jogador finito, principalmente por conta dos acionistas e investidores - no início do ano comprometeram a superar as metas de vendas unitárias mas por conta da pandemia, os planos tiveram que ser revistos e mesmo assim querem a todo custo que os trabalhadores retornem para tentarem cumprir com o estipulado indo contra as recomendações de isolamento social; com o próprio Elon dizendo que ele deveria ser preso se as fábricas permanecessem funcionando.

Este artigo é apenas a ponta do iceberg para questões mais complexas e claro que existem muitas variáveis e cenários mas o que provavelmente irá determinar a nossa saída desta crise é o nosso modelo mental: jogamos com a mentalidade finita no jogo infinito ou nos sintonizamos e temos a mentalidade infinita no jogo infinito?

 Para finalizar deixo o link do ótimo artigo** de Olímpio Araújo Filho que também foi uma inspiração e salientar que, mesmo com neste nosso cenário, muitos de nós estamos melhor do que o personagem fictício, que nasceu em 1900 e faleceu em 1985 que ilustra seu ponto de vista em relação à pandemia e que nos sirva de reflexão para estarmos atentos aos componentes que estão presentes nas nossas vidas: nosso Piloto Automático, os Cisnes que influenciam nossos Cenários e identificar em qual o tipo de jogo estamos - no Finito ou no Infinito.

 

Referências:

A Lógica do Cisne Negro - O impacto do altamente improvável - Gerenciando o desconhecido - Nassim Nicholas Taleb

O Jogo Infinito - Simon Sinek

*Estudo mostra que o Magazine Luiza é a empresa com a melhor imagem durante a crise > https://www.moneytimes.com.br/estudo-mostra-que-magazine-luiza-e-a-empresa-com-a-melhor-imagem-durante-a-crise/

**Como será o novo normal - Olímpio Araújo Junior > https://www.gestordemarketing.com/post/como-sera-o-novo-normal?fbclid=IwAR3imDXUjKNyqXU_oH0B9qSJJOSovl7XvqVl29HlketLbyGmmlXBxCJoGDk

 

Inovadores & Inquietos
Iuri Alencar
Iuri Alencar Seguir

Designer, inovador inquieto, nerd e pai (de gato) do Hashtag e do Bengali

Ler conteúdo completo
Indicados para você